4 Estratégias de Crescimento que os CEOs Podem Utilizar Para se Anteciparem

Os empresários dedicam tempo, energia e esforço a construir as suas empresas e a ajudá-las a crescer. Faz sentido que, após o momento «Vendi a minha empresa!», as pessoas vivenciem sentimentos complexos, desde o orgulho e a realização até à ansiedade e à tristeza.

Falámos com Lynne King Smith, Jay Steinfeld e David Lyon, líderes que venderam empresas prósperas. Partilharam as suas ideias sobre o que se segue, como se mantêm realizados e empenhados e porque é que a orientação acrescenta significado às suas vidas pós-venda.

 

Compreender a flexibilidade e a resiliência

Lynne King Smith e o marido criaram a empresa de tecnologia TicketForce, que fornecia software de emissão de bilhetes para locais de eventos. A TicketForce tinha 30 funcionários a tempo inteiro e suportava 110 milhões de dólares em vendas de bilhetes na altura em que a empresa foi vendida.

Nos dias que se seguiram à venda da TicketForce, King Smith sentiu que estava exausta, entusiasmada e «ainda bastante concentrada». Tinha um contrato de gestão com o comprador, pelo que estava a concentrar-se na transição.

Então, a pandemia COVID-19 surgiu e fechou a indústria de eventos, então a sua saída tornou-se muito diferente do esperado.

King Smith decidiu lançar-se noutra aventura: candidatar-se a presidente da câmara da sua cidade de Gilbert, no Arizona. Obteve um número impressionante de votos, mas outro candidato acabou por ganhar. Dias depois, recebeu a notícia de que «basicamente toda a sua família tinha sido despedida» quando o comprador da TicketForce decidiu terminar o seu contrato de gestão antecipadamente e despedir mais pessoal.

Após um breve período para decidir o que fazer a seguir, King Smith e o marido levaram o seu AirStream numa viagem de seis semanas, visitando parques nacionais no Oeste, uma das únicas opções de viagem durante a COVID.

King Smith conta: «Lembro-me de, a certa altura, ter dito ao meu marido: ‘Ena, trabalhámos durante 17 anos, vendemos a nossa empresa para ir acampar no Utah? Mas a viagem proporcionou muitos quilómetros para pensar, descansar e falar sobre o seu futuro.

Alguns meses mais tarde, King Smith concentrou-se na orientação de CEOs e aderiu à Vistage Chair Academy.

Ser mentora de outros faz parte do objetivo de King Smith. «Adoro o que estou a fazer e encaro o facto de ser Vistage Chair como uma construtora de comunidades, porque se conseguir influenciar os líderes empresariais», afirma. «Então, em última análise, posso criar um efeito de cascata positivo que atinge muitas pessoas, incluindo os seus empregados e famílias. Isso, por sua vez, ajuda a fortalecer as comunidades como um todo.»

O conselho de King Smith para os empresários que tencionam vender é «ter uma ideia clara da visão da sua vida fora da sua empresa». Em vez de ser definido pela sua empresa, determine os seus valores e objetivos principais. Depois, pode garantir que os seus próximos passos estão alinhados com essa missão.

Conhecer o seu verdadeiro propósito

Jay Steinfeld fundou a Blinds.com, o primeiro e principal retalhista de persianas em linha do mundo. Iniciando a empresa sozinho na sua garagem, Steinfeld acabou por aumentar a Blinds.com para 500 funcionários. Em 2014, Steinfeld vendeu a empresa para a Home Depot.

Steinfeld não sentiu a ansiedade e a depressão que alguns empresários sentem após a venda. «Senti-me realizado, gratificado e orgulhoso», partilha. Ele acredita que a razão pela qual algumas pessoas lutam é porque não conhecem o seu verdadeiro objetivo ou não têm um plano para continuar a cumprir esse objetivo. «São como o cão que apanha o carro e agora não sabem o que fazer com ele.»

Antes de deixar a Blinds.com, Steinfeld certificou-se de que sabia quais eram os seus próximos objetivos – e que já estava a atingir alguns deles. Também certificou-se de que a sua equipa poderia prosperar após a sua saída com o seu sucessor identificado. A adoção destas medidas ajudou Steinfeld a sentir-se preparado para a transição. Agora, Steinfeld sente-se satisfeito por continuar envolvido com a sua antiga equipa. Por vezes, pedem-lhe que participe em reuniões e, recentemente, juntou-se a eles no seu «aniversário laranja» de 10 anos, o aniversário da venda à Home Depot.

Steinfeld aconselha os proprietários de empresas que se preparam para uma venda a começarem a pensar em como fazer a diferença, seja para futuros ou atuais empresários, para a sua comunidade ou para uma causa pela qual são apaixonados.

Como mentor, Steinfeld refere: «Estou a aconselhar pessoas e a retribuir, participando em vários conselhos de administração e dando aulas na escola de gestão da Rice.» Ao manter-se «no jogo», mantém-se mentalmente apto e atento.

Mais importante ainda, Steinfeld está agora a passar o máximo de tempo possível com a sua família e os seus oito netos. Está ansioso por levar o seu neto de três anos às aulas de natação às terças-feiras. «Vai ser espetacular», revela. «Vai ser o meu dia preferido.»

Perceber quem somos

David Lyon vendeu duas empresas. A primeira era uma empresa de marketing digital que ajudava as pequenas e médias empresas na transição dos meios de comunicação tradicionais para os digitais. Começou com três empregados. Na altura da venda, sete anos mais tarde, tinham perto de 300.

O segundo negócio de Lyon era uma empresa de software como serviço apoiada por uma empresa de capital de risco que ajudava as empresas com a cultura organizacional e o envolvimento dos empregados. Essa empresa tinha 20 empregados.

Após a primeira venda, Lyon sentiu-se entusiasmado. Ele e a sua equipa estavam no sítio certo, à hora certa, e fizeram todas as coisas certas. Pensou que a parte mais significativa seria o dinheiro, mas, em vez disso, conta: «O que realmente me marcou foi o que tínhamos conseguido como equipa.»

A sua segunda venda, por outro lado, foi «uma vitória difícil». Sentiu muito mais apatia e cansaço após o fecho.

Olhando para trás, Lyon diz que uma maior preparação teria contribuído muito para garantir um processo de venda e uma transição sem problemas.

Para além de se preparar para a venda, Lyon diz que é vital preparar-se para o que vai fazer a seguir. Como muitos empresários, a sua identidade estava ligada à sua empresa. «Não fiz a mim próprio a pergunta que agora sei que devo fazer às pessoas, que é: Quem és tu para além da empresa?»

E acrescenta: «Investi tanto do meu tempo, energia e atenção na empresa que, quando estas duas transações foram concluídas, não tinha a mesma estrutura que a empresa me dava.» Encontrar essa estrutura é fundamental para preencher o vazio que uma venda pode deixar.

Após uma transição significativa, as pessoas têm a oportunidade de entender o que é mais importante na vida. Para Lyon, isso significava dar prioridade à sua família e encontrar formas de ajudar a próxima geração de líderes empresariais, encontrando esta última como Chair Vistage.

Agora, como treinador e mentor de CEOs, Lyon diz: «Estou a retribuir como empresário, partilhando algumas das lições difíceis que aprendi».

Viver a vida após a venda

Depois de venderem as suas empresas, King Smith, Steinfeld e Lyon tiveram experiências muito diferentes, mas a forma como abordaram a vida segue um caminho semelhante. Cada um deles concentrou-se em manter-se fiel à sua visão e objetivo e em compreender o seu verdadeiro «eu». Passam tempo com as suas famílias. Em última análise, descobriram que a tutoria lhes permite retribuir às suas comunidades, ao mesmo tempo que encontram realização e alegria.

Este artigo foi primeiramente publicado na Vistage US, pode ler a versão original aqui.